sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Ninguém vos domine ao seu bel-prazer

Por João Paulo Souza



O apóstolo Paulo, advertindo os crentes colossenses sobre as falsas doutrinas, alertou-os que havia líderes ali que queriam dominar suas vidas, demonstrando aparência de humildade. E, detectando esse tipo de comportamento, disse aos irmãos de colossos:
1) "Ninguém se faça árbitro contra vós outros" (Cl 2.18). Se fazer árbitro contra o próximo significa querer mandar na vida alheia, de modo que o próximo não tenha liberdade para viver. Por exemplo, há líderes que querem saber o que comemos, o que bebemos, com quem andamos, onde dormimos, onde trabalhamos, com quem namoramos (noivamos ou casamos), de que horas saímos ou chegamos em casa, quais os nossos planos para o futuro... enfim, uma enxurrada de informações que, em sua totalidade, não lhes compete saber. Inclusive adoram vasculhar a vida alheia por meio das redes sociais, como Facebook, Instagram, Whatsapp etc., com o intuito de, caso não se deixem dominar, prejudicá-los de alguma forma. Porém, caso tenham um cargo hierárquico "inferior", denunciem os irmãos, mesmo sem motivo, aos seus líderes, para que estes tomem "providências".
2) "Pretextando humildade e culto dos anjos, baseando-se em visões, enfatuado, sem motivo algum, na sua mente carnal" (Cl 2.18). Os falsos líderes que estavam em Colossos aparentavam serem humildes, mas, na verdade, eram hipócritas. Certamente, esse tipo de gente tenta, a todo custo, dominar o próximo por meio de comportamentos que, a olhos nus, são "aprovados" pela massa eclesial. Além disso, adoram contar suas supostas experiências com Deus, com o intuito de mostrar para a igreja que são mais espirituais do que os irmãos. Mas o apóstolo Paulo percebeu os ardis daqueles falsos líderes e, sabiamente, advertiu os colossenses.
3) "[...] e não retendo a cabeça, da qual todo o corpo, suprido e bem vinculado por suas juntas e ligamentos, cresce o crescimento que procede de Deus" (Cl 2.19). Esses falsos líderes são estão - nem um pouco - preocupados em agradar a Cristo. O que eles querem mesmo é serem reverenciados pela igreja, tomando, desse modo, o lugar devido a Cristo: "não retendo a cabeça [Cristo]" (grifo nosso).
A partir do exposto, fica fácil de entendermos que o verdadeiro líder cristão não se preocupa em dominar os seus liderados, mas, conforme Pedro disse, procura servir ao rebanho como exemplo: "nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho" (1 Pe 5.3).

Nenhum comentário: