sexta-feira, 21 de julho de 2017

O Fariseu e o Publicano



A algumas pessoas que confiavam em si mesmas, Jesus lhes propôs uma parábola (Lucas 18.9-14). Nesta narrativa, o Mestre menciona dois personagens: um fariseu e um publicano. O fariseu era um religioso que vivia atolado numa falsa piedade; enquanto que o publicano era um judeu cobrador de impostos odiado pelos seus compatriotas por lhes cobrar tributos exigidos pelo império romano.
A Bíblia diz que esses homens decidiram subir ao templo com o propósito de orar a Deus (v. 10). O fariseu começou a sua oração, dizendo: "Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens" (v. 1).Nesta oração, percebemos um falso agradecimento, porque o fariseu se autojustificou diante de Deus, colocando-se num pedestal, isto é, buscando a autoexaltação. Ele continua: “não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros, nem ainda como esse publicano; jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto possuo” (v. 11-12).
Diferentemente do fariseu, o publicano sequer levantou a cabeça em direção ao sagrado, humilhando-se. Em sinal de reconhecimento de seus pecados, esse homem batia no próprio peito, rogando ao Senhor sua terna misericórdia: “Ó Deus, sê propício a mim, pecador!” (v. 13). Ao que foi ouvido: “este [o publicano] desceu justificado para sua casa, e não aquele [fariseu]” (v. 14, grifo nosso). Aleluia!
No final do versículo 14 dessa passagem, está escrito: “porque todo o que se exalta será humilhado; mas o que se humilha será exaltado”. Melhor dizendo, não adianta a gente querer ser melhor do que os outros, porque, no final das contas, mais cedo ou mais tarde, seremos envergonhados. Ao passo que, ao reconhecermos que somos pecadores carentes do perdão de Deus, e que não somos melhores do que ninguém, seremos honrados pelo Senhor, pois é Ele que nos justifica.
Que possamos, a cada dia, buscar nos humilhar diante do Senhor!

sábado, 15 de julho de 2017

Você costuma examinar as Escrituras todos os dias?

Por João Paulo Souza


Dentre tantos textos interessantes sobre o cuidado com a leitura das Escrituras, um de Atos dos Apóstolos chama-me muito a atenção:
"Ora, estes [de Bereia] foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim" (Atos 17.11).
No versículo acima, podemos ver o cuidado que os crentes de Bereia tinham com a Palavra. A Bíblia diz que eles "examinavam" as Escrituras diariamente, com o fim de conferir se o que o apóstolo Paulo estava pregando casava com o texto sagrado. Ótimo hábito!
E você, costuma conferir nas Escrituras o que o seu líder eclesiástico está pregando e ensinando?

sábado, 24 de junho de 2017

Vício em pornografia: uma abordagem científica

Por João Paulo Souza

Começamos este artigo definindo o conceito de pornografia. É bem verdade que, dependendo da fonte literária ou texto consultado, o significado pode variar. A Wikipédia, por exemplo, dar-lhe o sentido de “qualquer material que desperta pensamentos sexuais de forma vulgar e explícita”[1].
O dicionário online Caldas Aulete, por sua vez, declina pornografia como qualquer “texto, foto, desenho, filme etc. que, com o objetivo único da excitação ou satisfação sexual das pessoas, apresenta ou descreve pessoas nuas ou copulando”[2]. Fundamentados nessas duas acepções, podemos concluir que a pornografia sempre está relacionada ao consumo de material que propague a nudez, bem como a divulgação do comportamento humano voltado para o despertamento da libido e das práticas sexuais.
Através dos milênios, seres humanos construíram e lançaram mão de vários veículos culturais para divulgarem a pornografia. Esculturas, pinturas, escritos, gravuras, peças teatrais, fotografias, filmes e vídeos são exemplos de como a pornografia sobreviveu e sofisticou-se ao longo do tempo. Hoje, porém, a internet tem sido o carro-chefe dessa devassidão, por ser mais acessível, barata e discreta para os seus usuários.

Como a internet é um sistema mundial que interliga computadores espalhados por várias partes do planeta, ela tem um poder de propagação de dados e informações descomunal. Para termos uma ideia, ao digitarmos a palavra “porn” no mecanismo de pesquisa do site de busca Google, encontraremos cerca de dois bilhões de sites relacionados ao tema! Absurdo!
Com esse arsenal pornográfico monstruoso na web, milhões de pessoas são seduzidas e fisgadas diariamente por ele, tornando-se facilmente viciadas. E, no processo do vício, vão acontecendo algumas mudanças significativas no cérebro do adicto, segundo o pesquisador americano Gary Wilson[3]. Wilson é um neurocientista que estuda o impacto da pornografia sobre o cérebro.
De acordo com as pesquisas feitas por Wilson[4], com o surgimento da internet em banda larga, vem acontecendo um fenômeno interessante entre os homens, especialmente entre os jovens: a disfunção erétil induzida pela pornografia. Isso mesmo! O consumo excessivo de pornografia causa impotência sexual!
Segundo Wilson, os homens viciados em pornografia sentem-se muito mais atraídos pelas imagens eróticas que veem na internet do que por mulheres reais. Em outras palavras, o ato de treinarem o cérebro para ficar recebendo altas doses de impressões pornográficas ao longo dos anos, acarretou-lhes uma notória insensibilidade sexual para com suas parceiras.
Nesse sentido, o vício em pornografia assemelha-se ao vício das drogas, em que, geralmente, o viciado passa a usar quantidades ou doses maiores para conseguir se aproximar ou tentar chegar ao prazer que sentiu antes, quando utilizou, pela primeira vez, determinado (s) entorpecente (s). E a necessidade de mais estímulos vai causando aos poucos, no consumidor de pornografia, a dessensibilização peniana, além de outras consequências deletérias: antissociabilidade, procrastinação, falta de energia, ejaculação retardada, ausência de libido, disfunção erétil, depressão, desejo de suicídio etc..
Wilson afirma que a dopamina – um neurotransmissor – é responsável para motivar as pessoas a terem prazer na vida e realizar coisas: trabalhar, estudar, divertir-se etc.. Ele ainda afirma que, com o uso excessivo de pornografia, os níveis de dopamina no cérebro diminuem drasticamente, fazendo com que o viciado acesse cada vez mais materiais pornográficos na internet para alcançar um prazer mais intenso. Assim, saturando-se os receptores de dopamina, o adicto produzirá menos dopamina, que lhe deixa com menos prazer sexual.
Diante dessas palavras, recomendo ao (à) leitor (a) a análise das referências disponibilizadas abaixo, porque nelas há muito mais informações importantes acerca desse assunto. E, caso esteja viciado em pornografia e masturbação, “o segredo é parar de usar pornô”, diz Wilson.
Permitindo Deus, escreveremos um novo artigo sobre esse tema. Porém, abordaremos a pornografia à luz das Escrituras Sagradas. Até o próximo artigo.
Referências
[1] WIKIPÉDIA. Pornografia. Disponível em: . Acesso em: 13/08/2016.
[2] “Pornografia.”. Dicionário Online Caudas Aulete. Disponível em:< http://www.aulete.com.br/pornografia>. Acesso em: 15/08/16.
[3] Vício em Pornografia. Disponível em: . Acesso em: 15/08/16
[4] Entrevista com Gary Wilson. Disponível em: . Acesso em: 15/08/16.
Extraído do site GOSPEL PRIME.

sábado, 20 de maio de 2017

Missionária denuncia: “Há falsos congressos de missões nas igrejas”

Por Jarbas Aragão
Missionária denuncia: "Há falsos congressos de missões nas igrejas"
A missionária Kelem Gaspar dirige o Projeto Campos Brancos, a Escola de Missões Pakau Oro Mon, a Creche Escola Missionária Peniel, além de trabalhar com evangelização nas Ilhas do município de Maracanã, no Pará, onde mora. Além disso, ela está envolvida em uma frente missionária no Peru.
Se o nome dela não é muito conhecido no “circuito” missionário é justamente por que a maior parte do tempo ela se desdobra em múltiplas atividades, que incluem cuidar de dezenas de crianças, onde além de ouvirem a Palavra, recebem reforço escolar e um lanche.
Kelem fez nesta sexta-feira (19) um desabafo sobre o que ela considera “falsos congressos de missões”. Em um longo texto, ela relata que muitos desses eventos que mesmo tendo o título de missionários, “em nada contribuem para o despertamento da igreja, orientação do ministério, aperfeiçoamento da obra ou melhoramento no campo”.
Ela afirma que é comum os preletores oficiais de tais congressos serem “grandes conferencistas internacionais que dificilmente já estiveram em um campo missionário e em nada podem acrescentar aos ouvintes nesse aspecto”.
O desabafo da missionária é baseado em sua própria experiência. Pois ela já esteve em congressos de missões, onde via os pregadores famosos ficarem “hospedados em hotéis cinco estrelas e receberem de cachê uma quantia considerável”. Por outro lado, os missionários da própria igreja acabam hospedados em lugares bem mais humildes e receberam como pagamento apenas “uma saca de roupa usada”.
Indignada com esse tipo de prática bastante comum, ela afirma que por causa dessa “incoerência”, os congressos deveriam mudar de nome. Afinal, geralmente “depois do evento, o nível de conhecimento, compromisso e consciência continua o mesmo”.
Com sua larga experiência nesse campo, ela diz esperar que Deus “abra os olhos da liderança da igreja” e que possam ser convidados apenas missionários “comprometidos com Deus e com sua obra para que preguem e instruam a igreja competentemente acerca dos desafios da obra missionária e da participação de cada um na conquista do mundo”.
Em sua reflexão ela lembra que alguns eventos missionários são realizados em igrejas que não possuem, de fato, “nenhum missionário no campo, nenhum projeto de missões e nem investem em missões”. Para Kelem, trata-se de “uma verdadeira fraude” quando o dinheiro é arrecadado em nome de missões “para ir direto para o caixa da própria igreja” e, assim, os pastores enganam a igreja de Deus “para se beneficiar”.
Ela relata que não deseja mais pregar em eventos que usam o nome “missionário”, mas não o são. Contou também que recentemente participou de um onde o “único missionário” daquela igreja, que fora trazido do campo para participar da festa, visivelmente passava por dificuldades e estava “hospedado em um quartinho atrás da igreja, sem nenhuma estrutura e fazendo suas refeições nas casas dos irmãos durante o evento”.
Ao ver isso, a missionária paraense decidiu entregar todo o valor da oferta que recebeu por ter ministrado nos três dias do congresso ao missionário. Sugeriu que ele investisse em uma prótese dentária, pois lhe faltavam os quatro dentes da frente, e o restante pudesse oferecer mais dignidade à sua família.
A conclusão da missionária Kelem Gaspar é que “nós, brasileiros, gostamos do prestígio da missão, mas não estamos comprometidos com o custo da missão. Amamos a glória, mas fechamos os olhos para o preço”.
O trabalho que ela realiza no Pará pode ser melhor conhecido no site www.missionariakelemgaspar.com.br
Extraído do site GOSPEL PRIME

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Franklin Graham pede clamor pela igreja perseguida

Por Jarbas Aragão


Ao mesmo tempo que prepara um encontro com líderes cristãos e vítimas de perseguição de todo o mundo no próximo mês, a Associação Evangelística Billy Graham está fazendo um alerta geral.
A Associação argumenta que nunca foi tão perigoso ser um seguidor de Jesus nos tempos modernos. “Nós, como cristãos, precisamos acordar. Se não fizermos nada agora, depois será tarde demais”, adverte seu presidente, Franklin Graham.
“A violenta perseguição dos cristãos está em ascensão. Os seguidores de Cristo na África, no Oriente Médio e em vários outros lugares estão sendo torturados, mortos e expulsos de suas casas por causa da sua fé”.
Em um vídeo preparado pelo ministério, eles mostram os sofrimentos dos milhares de cristãos perseguidos e torturados em locais controlados pelo Estado Islâmico, bem como na Coréia do Norte e em outros países da Ásia.
“Isso deveria nos motivar a ajudar nossos irmãos e irmãs em todo o mundo que estão sofrendo uma terrível perseguição”, argumenta Graham. “É algo bárbaro. Esta é hora de nos levantarmos e fazermos alguma coisa.”
O pregador conta que, ao longo do seu ministério, já fez mais de 60 visitas ao Oriente Médio. Ele viu cristãos sendo atacados e mortos. “Nesta parte do mundo, ser um cristão e declarar publicamente sua fé em Cristo pode custar-lhe a sua vida.”
Por isso, a Associação Evangelística Billy Graham, pede que todas as igrejas e denominações cristãs se juntem para “orar por nossos irmãos e irmãs em Cristo”. Franklin tem defendido que a Igreja nos países onde há liberdade deveria se posicionar politicamente, pressionando os governantes, mas sobretudo levantar um grande clamor.

“O Islã radical está ganhando terreno em grande parte do mundo… A Palavra de Deus fala sobre as nações da terra passando por ‘angústia e perplexidade’. Só existe um que tem as respostas, o Senhor Jesus Cristo. Como indivíduos e como nações, precisamos pedir a Ele por sabedoria e ajuda. Ele é a Resposta, desde agora e por toda a eternidade”, disse ele ao Christian Today.
Fonte: Gospel Prime

quarta-feira, 12 de abril de 2017

A FÉ DOS HERÓIS DA FÉ

Por João Paulo Souza


Quando leio o capítulo 11 da carta aos Hebreus, sinto minha fé renovada, pois vejo que pessoas como nós conseguiram feitos extraordinários. O segredo? A graça de Deus. Sem a graça do Senhor não somos nada; não chegamos a lugar algum.
Moisés, por exemplo, pela fé, "sendo homem, recusou ser chamado filho da filha de faraó. Escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus do que, por algum tempo, ter a alegria do pecado" (Hebreus 11.24-25).
Por sua vez, pela fé, "Abraão, ao ser provado, ofereceu Isaque" (v. 17). Embora Deus tivesse lhe feito a promessa acerca de Isaque, o pai da fé não exitou em entregar o filho da promessa em holocausto a Deus. Isso é fé! É o que faz a diferença na vida de um cristão.
Para maior aprofundamento do tema, recomendo a leitura de todo o capítulo 11 de Hebreus. Leia, reflita e medite.

domingo, 2 de abril de 2017

Não confunda remorso com arrependimento


A salvação não se baseia no remorso. Remorso não faz a pessoa mudar de atitude diante do pecado cometido. Mas o arrependimento segundo a operação do Espírito Santo na vida de um indivíduo faz esta pessoa mudar de rumo. O arrependimento, conforme afirma João Batista, está fundamentado na produção de frutos para Deus (Mateus 3.8).

João Paulo Souza

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Lembrai-vos da mulher de Jó

Por João Paulo Souza

A cidade de Sodoma era bem atraente, haja vista Ló, após se separar de Abraão, ter ido habitar nesse lugar. Diz-nos a Bíblia que Ló, ao se afastar de seu tio, “ia armando as suas tendas até Sodoma” (Gn 13.11). Porém, o que o sobrinho de Abraão não imaginava era que essa região fosse infestada de homens “maus e grandes pecadores contra o SENHOR” (Gn 13.13).
Antes de acontecer a separação entre tio e sobrinho, houve uma confusão entre os pastores de Abraão e os de Ló, e, com a anuência do patriarca, Ló escolheu um novo rumo para a sua vida, escolheu ir para um lugar que lhe parecia mais próspero e seguro. Sem dúvida, a campina do Jordão era de encher os olhos. Ninguém, em sã consciência, poderia discordar da “bela” escolha de Ló. Exceto Deus.
Não é assim que acontece conosco às vezes? Em algumas ocasiões fazemos escolhas pelo que vemos com os nossos próprios olhos. Contudo, para que evitemos posteriores tropeços, atentemos para o que está escrito em Jeremias 17.9: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá? Somente Deus conhece plenamente os nossos corações: “Eu, o SENHOR, esquadrinho o coração, eu provo os pensamentos” (Jr 17.10a).
Diz-nos o Livro Santo: “levantou Ló os seus olhos e viu toda a campina do Jordão, que era toda bem regada” (Gn 13.10. Certamente, a visão que Ló teve foi inebriante! Podemos imaginar o seu olhar brilhante, olhando para algo que, exteriormente era belo, mas interiormente era horrível. Lá em Sodoma lhe aguardavam homens maus e pecadores terríveis* contra Deus.
A má escolha de Ló trouxe-lhe consequências irreparáveis. Sua mulher, já envolvida pela vida libertina de Sodoma, desobedeceu à ordem divina de não olhar para trás, quando fugia da cidade dos sodomitas. Olhando para trás, sua consorte “ficou convertida numa estátua de sal” (Gn 19.26). Diante disso, como não ficou o coração de Ló, ao perceber que sua esposa já não estava mais correndo ao seu lado? Há algo semelhante acontecendo com você? Mas não pare na caminhada cristã. Prossiga!
Para onde o nosso coração está voltado? Para o mundo e suas exterioridades ilusórias? Ou para o Reino de Deus, que é eterno e verdadeiro (Mt 6.33; 2 Pe 1.11)? Lembrai-vos da mulher de Ló!
NOTA
* Para obter mais detalhes sobre a vida pecaminosa dos moradores de Sodoma, recomendo a leitura dos capítulos 18 e 19 de Gênesis.

Artigo publicado no Gospel Prime.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Lições de Bartimeu

Por João Paulo Souza


Observando atentamente Marcos 10.46-52, podemos extrair algumas lições importantes para as nossas vidas. Vamos aprender com Bartimeu? Vejamos:

1) Embora sendo cego e mendigo, Bartimeu clamou por Jesus: "Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim!" (v. 46-47);

2) Embora muitos o repreendessem para se calar, Bartimeu continuou insistindo: "E muitos o repreendiam para que se calasse; mas ele clamava cada vez mais" (v. 48);

3) A compreensão teológica que Bartimeu tinha de Jesus fez com que o Senhor o chamasse: "E Jesus, parando, disse que o chamassem" (v. 49);

4) De tanto insistir, Bartimeu acabou ouvindo palavras positivas: "Tem bom ânimo; levanta-te, que ele te chama" (v. 49);

5) Bartimeu teve disposição para ir até Jesus: "E ele, lançando de si a sua capa, levantou-se e foi ter com Jesus" (v. 50);

6) Bartimeu ouviu atentamente a voz de Jesus: "Que queres que te faça?" (v. 51);

7) O cego falou com Jesus, pedindo o que humanamente necessitava naquele momento: "Mestre, que eu tenha vista" (v. 51);

8) A fé de Bartimeu em Jesus triunfou diante das adversidades: "Vai, a tua fé te salvou" (v. 52);

9) Por fim, depois de curado, Bartimeu escolheu seguir Jesus, o que é mais importante: "E logo viu, e seguiu a Jesus pelo caminho" (v. 52).

Diante dessas observações sobre Bartimeu, devemos entender que Jesus é cheio de misericórdia e que não despreza todos aqueles que dEle necessitam.