quarta-feira, 2 de março de 2016

Encontrando a paz na oração ao SENHOR

Por João Paulo Souza


Nossa vida aqui na Terra não é um mar de rosas. Certa vez Jesus disse que, no mundo, teríamos aflições (João 16.33). Porém, apesar dessa assertiva de Jesus, muitos cristãos não conseguem lidar com as preocupações do dia a dia.

O que fazer quando as coisas não vão bem em nossa vida? Como reagir frente às intempéries existenciais? Será que podemos encontrar uma saída para os nossos problemas? Acredito que sim!

Escrevendo aos filipenses, Paulo disse: "Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças" (Filipenses 4.6). Se meditarmos bem nessas palavras e deixarmos que elas penetrem em nossos corações, encontraremos apoio espiritual em Deus.

Nesse sentido, encontramos na oração um meio eficaz de reconquistar a paz que, porventura, um dia perdemos em algum lugar de nossa trajetória humana. Carecemos compreender que, quando oramos, falamos com o Senhor, que tudo pode, e que nenhum dos seus planos pode ser impedido (Jó 42.2). A Bíblia diz que "o SENHOR virou o cativeiro de Jó, quando orava pelos seus amigos" (Jó 42.10). Ele pode virar o seu também, caso você esteja precisando, caro (a) leitor (a)!

Continuando suas palavras, Paulo afirma que o resultado da oração regada pela dependência ao Senhor é "a paz de Deus, que excede todo o entendimento" (Filipenses 4.7). Em outras palavras, o entendimento humano não consegue julgar com exatidão a profundidade e a intensidade da paz divina, porque ela não é gerada na Terra, mas no Céu, onde o Príncipe da Paz está assentado à direita do Pai.

Portanto, meus leitores, atentemos sempre para o que disse Jesus: "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize" (João 14.27).