terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Características de um mercenário

Por João Paulo Souza

Durante um de seus ensinos, Jesus afirmou aos seus discípulos que Ele era a “porta das ovelhas” (Jo 10.7). Além disso, arrogou a si o título de “bom pastor” (Jo 10.11). Todavia, alertou aos pupilos sobre a existência de mercenários. E é sobre estes que eu gostaria de discorrer neste texto.
O que vem a ser um mercenário? De acordo com o dicionário da Bíblia do Obreiro[1], mercenário significa “aquele que trabalha apenas pelo salário”. Nesta definição, notemos a palavra “apenas”. Isto quer dizer que um mercenário trabalha exclusivamente para satisfazer os seus desejos avarentos, deixando de lado outros aspectos relacionados com o que esteja empenhando trabalho e tempo. Para o mercenário, o compromisso maior é com ele mesmo.
Sabendo disso, Jesus traçou um paralelo entre Ele e o mercenário. Ao fazer isso, o nosso Mestre apontou algumas características importantes que identificam um interesseiro dos bens alheios.
A primeira característica de um mercenário já foi explicada pelo seu próprio conceito, isto é, pessoa que investe tempo, trabalho e recursos em prol dos próprios interesses. Será que você não conhece algum líder que se encaixa direitinho nessa acepção? Alguns telepregadores servem-nos de exemplo. Basta ligarmos a TV e assistirmos, durante alguns minutos, a arte de conseguir dinheiro facilmente em seus programas.
A segunda marca identificadora de um mercenário é que ele “não é pastor” (Jo 10.12). Se ele não é pastor, sequer é um discípulo de Cristo, porque está exercendo uma função sem ser chamado e separado pelo Senhor Jesus: “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores” (Ef 4.11). Por isso, quantos não estão em pecado!
O Senhor Jesus pontuou também a terceira característica de um venal: “de quem não são as ovelhas” (Jo 10.12). Se o mercenário não é pastor, logo não tem autoridade delegada por Deus para cuidar de uma igreja. Eis a explicação de muitas igrejas acabarem indo a bancarrota – pelo simples fato de terem como líder um mercenário.
A covardia também assinala a identidade desse interesseiro. Ele “vê vir o lobo, e deixa as ovelhas, e foge” (Jo 10.12). A ação do covarde deixa as ovelhas à mercê do lobo – que pode ser considerado outro tipo de líder que não vamos falar sobre ele aqui. Isso significa que as ovelhas (a igreja que está sendo “pastoreada”) ficam vulneráveis a falsos ensinos, a modismos litúrgicos e a uma vida descompromissada com o Evangelho de Cristo. Os novos conversos não amadurecem; tampouco os mais antigos na fé conseguem progredir espiritualmente (Hb 5.12).
Por fim, Jesus resume quem é, de fato, esse falsário: “Ora, o mercenário foge, porque é mercenário e não tem cuidado das ovelhas” (Jo 10.13). Por isso, podemos inferir que, na cabeça do mercenário, sempre soa a seguinte pergunta: “Para que cuidar das ovelhas, se o que realmente importa é viver do que elas podem me oferecer?”.
Portanto, amados, refutemos com a Bíblia os ensinos e as práticas desse avarento, bem como oremos para que o Senhor o repreenda!
NOTA
[1] Bíblia do Obreiro. Sociedade Bíblica do Brasil, 2014. Barueri, SP, p. 1588.

Artigo publicado no Gospel Prime.

Nenhum comentário: