quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

FELIZ 2016!



Agradeço ao meu Deus, na Pessoa do Senhor Jesus Cristo, por ter me ajudado em mais um ano que se vai.

Agradeço também a vocês, meus leitores, que visitam frequentemente este blog. Deus vos dê um novo ano de bênçãos espirituais e atenda vossas necessidades existenciais em 2016!

No Deus eterno,

João Paulo Souza

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

4 ATITUDES IMPRESCINDÍVEIS AO PERFIL DE UM CRENTE MADURO


Por João Paulo Souza


Meus leitores, pensando sobre a maturidade em Cristo, que é um alvo que todo crente deve buscar alcançar, resolvi escrever um pouco. Abaixo discorro sobre quatro atitudes imprescindíveis à vida cristã que demarcam o perfil de um crente maduro. Dessa forma, espero que sejam edificados, como pedras vivas que são, no edifício do Senhor.

Ler as Escrituras diariamente. Não foi à toa que, ao inspirar homens santos (2 Pedro 1.21), Deus sempre insistiu na necessidade preciosa de lermos a Bíblia diariamente. Assim como precisamos do alimento terreno todos os dias de nossa vida humana, carecemos do nutrimento celestial para sustento da vida espiritual. De acordo com Jesus, “não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mateus 4.4).

Orar constantemente. A oração aproxima-nos de Deus, fazendo-nos crer na Sua existência e na prontidão em nos ouvir e atender. Oração não é uma opção, mas uma obrigação, um dever cristão. Segundo nosso Mestre, devemos “orar sempre e nunca esmorecer” (Lucas 18.1). Paulo, o apóstolo dos gentios, admoestando aos tessalonicenses, disse: “Orai sem cessar” (1 Tessalonicenses 5.17). Tiago também nos dá sua contribuição sobre esse tema, quando assevera que a oração, feita por um justo, “muito pode, por sua eficácia” (Tiago 5.16b). Portanto, “esta é a confiança que temos para com ele: que, se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve. E, se sabemos que ele nos ouve quanto ao que lhe pedimos, estamos certos de que obtemos os pedidos que lhe temos feito” (1 João 5.14-15).

Santificar-se continuamente. As Escrituras dizem que, sem santificação, “ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12.14). De acordo com Donald C. Stamps, em nota sobre esse versículo na Bíblia de Estudo Pentecostal1, “ser santo é estar separado do pecado e consagrado a Deus. É ficar perto de Deus, ser semelhante a Ele, e, de todo o coração, buscar sua presença, sua justiça e a sua comunhão”. A santidade implica posse e uso do Senhor sobre os seus servos. Os salvos somos “povo de propriedade exclusiva de Deus” (2 Pedro 2.9). Servimos ao Deus Santo. Por isso, devemos ser santos em toda nossa maneira de viver.

Vigiar sobriamente. A vigilância também é imprescindível à vida cristã. Vigiar, conforme Orlando Boyer, em sua Pequena Enciclopédia Bíblica2, quer dizer “estar atento a; velar por”. Neste sentido, o apóstolo Pedro admoesta-nos a que estejamos sóbrios e vigilantes, pois “o diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (1 Pedro 5.8). De fato, o Inimigo pode fazer estragos irreparáveis na vida de um crente. Judas que o diga (João 13.2)! Por essa razão, devemos sempre agir como um atalaia, para que não sejamos pegos de surpresa. Portanto, assim diz o Senhor: “Venho sem demora. Conserva o que tens, para que ninguém tome a tua coroa” (Apocalipse 3.11; cf. Efésios 4.25-32).

1Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.
2BOYER, Orlando. Pequena enciclopédia bíblica. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Pr. Claudionor Corrêa dá exemplo de humildade nas redes sociais ao reconhecer erro





O Pr. Claudionor Corrêa de Andrade, comentarista das Lições Bíblicas deste trimestre (4o./ 2015), que também atua junto ao Pr. Antônio Gilberto, como consultor teológico da CPAD, deu um exemplo de humildade, ao vir a público através das redes sociais, reconhecer um erro na lição bíblica do último domingo, 13.12.2015, e pedir desculpas aos seus leitores.

O pr. Claudionor não transferiu responsabilidades, nem utilizou-se de desculpas evasivas, ainda que saibamos que a revisão editorial passou pelo crivo de várias pessoas, porém, na condição de comentarista da lição, chamou o fato para sí e assumiu a culpa.

Uma atitude no mínimo louvável para alguém da sua envergadura. Um exemplo para muitos obreiros mais novos, que atuam em várias áreas ministeriais, os quais teem grande dificuldade em admitir um erro.

Confira abaixo a publicação em sua fanpage no facebook:

AOS MEUS QUERIDOS LEITORES, MINHAS HUMILDES DESCULPAS
Na lição do último domingo, cometi um grave erro histórico. Afirmei que Abraão, que ainda se chamava Abrão, em seu encontro com Melquisedeque, deu-lhe os dízimos de seus bens pessoais, e não dos despojos de guerra. Curiosamente, no livro "O Começo de Todas as Coisas", que escrevi para subsidiar a revista, a informação está correta, conforme você pode constatar:"Já no encerramento do culto, Abraão serve a Deus com os seus dízimos. Ao rei de Salém, entrega o melhor de seus haveres (Gn 14.20). Tão liberal mostrou-se o patriarca, que, além de não aceitar a oferta de Bera, rei de Sodoma, fez questão de externar materialmente o que, espiritualmente, havia recebido. Até mesmo dos despojos de guerra, que estavam em seu poder, deu ele o dízimo (Hb 7:4).
"Na verdade, Abraão nenhum despojo quis para si, mas desse mesmo despojo, pagou o dízimo ao Senhor pelas mãos de Melquisedeque". Confira, por favor, "O Começo de Todas as Coisas", página 119.
Ambos os textos (o da lição e o do livro) foram escritos por mim. Mas, na lição, infelizmente, cometi um deslize, do qual peço humildes desculpas aos meus queridos leitores, que jamais me faltaram com o seu carinho. 
O escrever é um ministério glorioso. Todavia, estressante e cheio de percalços. Somente os autores da Bíblia Sagrada escreveram inspirada e inerrantemente. Por isso, a Palavra de Deus é perfeita, eterna e sumamente bela. Nenhum profeta ou apóstolo teve de ir às redes sociais, como faço agora, para pedir desculpas por um erro cometido. Portanto, em primeiro lugar, a Bíblia Sagrada. É o Livro De Deus. Eis como o salmista a descreve: "Tenho visto que toda perfeição tem seu limite; mas o teu mandamento é ilimitado" (Salmo 119:96). 
Por favor, perdoe-me. Se Deus não estiver comigo, nada poderei fazer. A Ele, e somente a Ele, toda a glória. 
Irmão Claudionor

Que Deus nos ajude  seguir esse exemplo do servo do Senhor, pastor Claudionor Corrêa de Andrade. Postei por entender que em tempos trabalhosos, o faro merecia o registro.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

O valor de uma escolha (sermão)

Por Everton José Santos Paula



TEXTO: JOÃO 19.17-18

" Tomaram eles, pois, a Jesus ; e ele próprio, carregando a sua cruz, saiu para o lugar chamado Calvário, Gólgota em hebraico, onde o crucificaram e com ele outros dois, um de cada lado, e Jesus no meio".

INTRODUÇÃO:

Sinto-me muito honrado nesta noite por está aqui com todos vocês.Esta é a primeira vez que somos escalados para este grandioso trabalho. Considero Culto de Pregação como uma escola de profeta. Aqui Deus forma pregadores para a sua seara. Lembro-me que a primeira vez que fui escalado para um culto, o nervosismo era tamanho. Senti uma alegria nas pernas, dizia coisa com coisa e por fim terminei orando por não saber o que fazer. Passados todos estes anos percebo que ainda hoje tenho sentimentos parecidos não consigo assumir tal responsabilidade sem temor no coração, pois o peso e a responsabilidade são  muito grandes. Falar ao um povo sábio e entendido  como é o povo de Deus requer  acima de tudo a ajuda do Espírito Santo. Tenho que fazer igual ao apostolo Paulo quando pedia oração aos Efésios usando  as seguintes palavras: "E por mim; para que me seja dada, no abrir de minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o Mistério do Evangelho" . (Efésios 6.19).

Quero debaixo da orientação do Espírito de Deus, vos trazer uma palavra subordinada ao seguinte tema: O VALOR DE UMA ESCOLHA.

Qual o valor de uma escolha? Talvez não conseguimos mensurar o  valor de  uma escolha porque ela parece ser algo muito comum entre nós. E não atentamos para isso.

De acordo com os melhores dicionários  da língua portuguesa,  ESCOLHER é PREFERÊNCIA QUE SE DÁ A ALGUMA COISA QUE SE ENCONTRA ENTRE OUTRAS. Escolher significa saber lidar com perdas, pois quando se escolhe uma coisa, perde-se a oportunidade de conhecer as outras opções naquele momento. Portanto, quanto mais difícil for lidar com perdas, mais difícil será escolher.

Algumas coisas em nossa vida escolhemos, outras não.Por exemplo, você escolheu mesmo que inconscientemente está aqui. Você escolheu entre várias outras opções está aqui. Você poderia ter ido a um shopping nesta noite, desfrutar das Promoções da Sexta Feira Negra ( a Black Friday), mas entre estas e outras, você preferiu está aqui me ouvindo. Como me sinto honrado com isto! E Deus muito mais! Isto indica que em sua vida Ele é preferência. E como tal a recompensa é certa.

Existe algumas coisas que Deus não nos permitiu escolher: A família que iríamos nascer, a cor da nossa pele, rico ou pobre, nossos parentes e etc. Imagine a confusão que seria se fosse dado a nós este privilégio. Ninguém nasceria negro, pobre e numa família complicada e problemática como a nossa. A Rainha da Inglaterra, Elizabete teria muitos filhos e a herança quando fosse dividida (nossa!), não sobraria nada para ninguém. Eu glorifico a Deus que fez tudo perfeito e nos seus conformes. A sua sabedoria  e entendimento é multiforme.

Percebam que tudo na vida gira e permeia em torno de escolhas. E tudo que outrora escolhemos apontam para o que hoje nós somos, seja na vida profissional, espiritual, financeira e amorosa. Todas elas são repletas de consequências que podem ser boas ou ruins. Por isso que Jó 34.4, nos diz assim: " O que é direito escolhamos para nós; conheçamos entre nós o que é bom ".Este é um conselho do Todo Poderoso através de suas Sagradas Letras. Escolher requer observância e cuidado. Existem três maneiras de lidarmos com as nossas escolhas:

1) ESCOLHA IRRESPONSÁVEL

Nossos primeiros pais, Adão e Eva ilustram perfeitamente este tipo de escolha. Desde o inicio da criação até os nossos dias, sempre o Senhor permitiu que os homens pudessem escolher  o melhor. Eva e Adão viviam em um lugar de delícias. No Jardim do Éden, eles desfrutavam de uma plenitude inigualável de comunhão com Deus, vida eterna, amor perfeito e uma diversidade de frutos comestíveis.

Ambos estavam em uma perfeita plenitude espiritual e material. Qualquer que fosse a fruta que desejassem se alimentar, lá estava.Sem preço nem trabalho. Eles, se almejassem comer uma jaca, uma graviola, uma framboesa, um pêssego, tudo estava à sua disposição. Só era colher e comer. Contudo , diante de toda aquela abundância de frutas comestíveis, existia uma proibida. A Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. Nesta árvore, estava a maior prova que o homem teve nos seus primeiros dias na Terra. A Prova Da ESCOLHA.  Por meio dela, o Senhor Deus colocava diante de ambos o direito de Escolher. Era o Livre Arbítrio. As orientações foram dadas a Adão e, sem duvida, repassadas a Eva. Disse o Senhor Deus: " E o Senhor Deus lhe deu esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque , no dia em que dela comeres, certamente morrerás " ( Genesis 2. 15 ao 17).

Eles foram orientados a não comerem, porém escolheram errado. Entre obedecer e desobedecer, escolheram a segunda opção. Não sabiam eles que a sua Escolha Irresponsável lhe traria as mais drásticas consequências para os seus filhos e descendentes. Toda a humanidade sofre as conseqüências de nossos pais. Paulo nos afirma em Romanos 5.12: " Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram". "Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos se tornaram pecadores, assim também, por meio da obediência de um só, muitos se tornarão justos. (Romanos 6.19).

Esta dramática escolha nos fez pecadores por natureza. Fomos afetados pela má escolha de nossos pais. Vejam como é importante uma boa escolha. Escolher requer uma analise pormenorizada. Tem que se pensar e vislumbrar o futuro, pois, senão poderá prejudicar pessoas nossas. As vezes, é preciso pensar nas pessoas ao nosso lado.

2) ESCOLHA EGOÍSTA

Deus tinha abençoado a Abrão com muita fazenda, gados e riquezas e consequentemente a Ló, seu sobrinho. Porém esta prosperidade foi a causa de um problema entre os pastores de Abraão e os de Ló. Eles contendiam acerca  das pastagens para os gados. Era necessário resolver de uma vez por todas. A solução estava na separação entre eles, visando, assim, apaziguar a contenda.

Abraão propôs o direito de Ló ESCOLHER: " ( Genesis 13.8-13) : " E disse Abrão a Ló: Não haja contenda entre mim e ti e entre os meus pastores e os teus pastores, por que somos parentes chegados. Acaso não está diante de ti toda a Terra. Peço-te que te apartes de mim; se fores para a esquerda, irei para direita; se fores para a direita irei para a esquerda. Levantou Ló os olhos e viu toda a campina do Jordão, que era toda bem regada( antes de haver o Senhor destruido Sodoma e Gomorra), como o jardim do Senhor, como a tera do Egito como quem vai para Zoar. Então Ló ESCOLHEU para si toda a campina do Jordão e partiu para o Oriente. separando-se um do outro."

Vimos aqui dois homens de Deus que para apaziguarem seus pastores se separaram. Tiveram que ESCOLHER  uma das opções. Ló cresceu os olhos ao ver as campinas do Jordão. Enxergou somente as vantagens apresentadas pela terra cheia de pastos para as suas ovelhas e gados. Uma ESCOLHA EGOISTA e carnal. Nós não somos muito diferentes de Ló. Quantas vezes não escolhemos algo egoisticamente? Quantos pais de família não abandonam o lar, seus filhos e coisas tão certas vislumbrando vantagens, promoções? Quantas vezes fazemos como Elimeleque e Noemi, escolhendo sair da nossa casa de pão e, de repente, a catástrofe nos sobrevém. Nem sempre as vantagens aparentes são permanentes. Ló amargou profundamente a sua ESCOLHA EGOÍSTA. Todos conhecemos a história e o destino daquele povo ímpio, mau e grandes pecadores que eram os habitantes de Sodoma e Gomorra. Seu nível de perversidade e pecado foi tão grande que a única alternativa que Deus encontrou foi destruir estas cidades com fogo e enxofre por conta da promiscuidade existente lá. Pedro nos revela todo o sofrimento enfrentado por Ló. Ele afligia a sua alma todos os dias devido ao procedimento libertino daqueles homens. Ele vivia aflito como o que via e ouvia dentro daquelas cidades. Tudo isto por causa de uma ESCOLHA MAU FEITA E EGOÍSTA EM SUA VIDA. Em  2 Pedro 2. 7-8, está escrito: "E livrou o justo Ló, afligido pelo procedimento libertino daqueles insubordinados (porque este justo, pelo que via e ouvia quando habitava entre eles, atormentava a sua alma justa, cada dia, por causa das obras iníquas daqueles)".

Entendo com esta narrativa que um justo, como foi Ló, pode sofrer prejuízos em razão de suas escolhas erradas. Talvez nesta noite você esteja amargando algo por conta de uma má escolha que fez em sua vida. Nas nossas vidas incorremos no risco de ESCOLHERMOS ERRADO, porém existem as consequências desta  escolha. Ló foi com sua esposa para lá e o  resultado foi terrível. Sua esposa se envolveu tanto com a vida e o pecado da cidade que olhou para trás com saudade do lugar e tornou-se uma estátua de sal. Suas filhas viviam na mesma situação, chegando ao ponto de, ao fugirem de lá, embebedarem seu pai e cometerem incesto com ele (Gênesis 19.33-36).

Sim, podemos cometer erros em nossas escolhas. Precisamos dá mais valor a nossas escolhas. Esquadrinhando-as direitinho. As vezes, o Senhor Jesus  nos permite decidir errado para que através desta preferência venhamos a aprender uma lição. Ló aprendeu, depois de haver escolhido. Assim sendo, nada é mais maravilhoso quando um homem consegue enxergar antes que decisões ruins sejam tomadas. A exemplo do Filho Pródigo. Ele fez uma escolha errada em sair da casa de seu pai, mas teve uma escolha resoluta.

3) ESCOLHA RESOLUTA

O rapaz muito jovem e inexperiente. Decide aventurar a sua vida longe de seu Pai. Representação do Próprio Deus. Obstinado prefere abandonar o aconchego e o amor de seu pai por uma vida dissoluta. Ele queria aventurar em terra distantes. Pediu sua herança ao pai. Ele não tinha direito algum. O pai não interviu na sua decisão e dissolução. O conforto, amor e  aconchego nada daquilo era bom aos seus olhos. A melhor escolha para ele era sair de casa. Só existe duas opções: Escolher bem ou mau. É preciso ser resoluto a fim de enxergar dentre as opções a melhor ESCOLHA.
É exatamente isto que vemos ao olharmos para o Golgota. Lá estava três homens dependurado em uma cruz. O do meio era o nosso Salvador, ao seu lado, direito e  esquerdo, dois homens malfeitores.Que poderiam até queixasse de em sua vida não terem opções de ESCOLHAS. Talvez eles não puderam escolher nascer numa família abastarda, ter tido uma boa educação ao lado de um sumo sacerdote, serem filhos de um Publicano, terem nascido no palácio real  como herdeiro e sucesso do Rei  Herodes, talvez não tiveram opção entre escolher conviver   ou não longe da criminalidade existente na época. Eram produtos do meio em que viviam. Quem sabe, ambos tinham razões para tal infortúnio em sua vida. Se alguém lhe perguntasse porque viviam nesta vida, eles poderia responder que não tinham escolha. Sua vida era aquilo mesmo. Mas tudo poderia mudar em sua vida. No Calvário Deus estava lhes dando o maior presente que poderia receber: O PRESENTE DA ESCOLHA.

Você já parou pra pensar, porque Jesus estava no meio dos dois. Não poderia ele ficar do lado esquerdo ou direito. Por que, então no meio.  Por que Jesus não foi crucificado sozinho. Por que Deus lhes estava proporcionando o presente e o direito a sua ULTIMA ESCOLHA. Suas vidas poderiam ser totalmente mudadas ou acabadas a partir daquele momento.

Eles enfrentaram o maior castigo da época - a crucificação. Era a pena mais cruel que um homem poderia enfrentar. E Cristo para lhes proporcionar o direito de ESCOLHA  entre uma mudança de vida ou não. Subiu ao madeiro e em uma atitude altruísta os posicionou em mesma posição e privilegio.

Jesus no meio os pôs em mesmo grau de oportunidade. Ambos podiam ver o Cristo Crucificado. E enxergar muito além de apenas um homem ensangüentado. Era a sua melhor ESCOLHA A FAZER. De inicio, a reação deles foi a mesma. Eles injuriavam de igual modo. Estavam nas mesmas condições. Diziam as mesmas coisas. Repetiam o que os homens cegos falavam sobre Jesus: " E os mesmos impropérios lhe diziam também os ladrões que haviam sido crucificados com ele" . ( Mateus 27.44).

Houve um mudança de atitude. Um dos ladrões viu ao Senhor na Cruz de forma diferente. Eles estavam destinados a mesma condenação. Mas mesmo diante de todo o vexame, o sofrimento, agonia, dor, desespero. Ele entendeu que Jesus no meio deles estavam ali a lhes oferecer a ultima ESCOLHA DA VIDA DELES.  É como se Jesus estivesse a falar: " Há se você conhecesse o que lhes estou proporcionando! Eis que ofereço a vocês o  direito de escolher! Um escolheu a melhor parte, decidiu mudar de atitude. Deu preferência ao ARREPENDIMENTO. Estas foram as palavras que demonstrava tal atitude: " Um dos malfeitores crucificados blasfemava contra ele, dizendo: Não és tu o Cristo. Salva-te a ti mesmo e a nós também. Respondendo-lhe , porém, o outro, repreendeu-o, dizendo: Nem ao menos temes a Deus, estando sob igual sentença. Nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o castigo que os nossos atos merecem; mas este nenhum mal fez. E acrescentou: Jesus, lembra-te de mim quando vieres no teu reino. Jesus lhe respondeu: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso ( Lucas 23.39-43).

CONCLUSÃO:
Quero concluir nesta noite. Você irmão, amigo e ouvinte,  que tem tomado tantas escolhas erradas na sua vida. Que por estas ESCOLHAS surgiram tantos problemas e prejuízos para você. Escolhas que quase levou ao termino da  sua vida. O filho prodigo também fez o mesmo.Escolheu errado, passou fome, perigos de morte, mas quando ele se viu em apuros e sem condições nenhuma de se reaver sua vida. "Então, caindo  em si,  disse : Quantos trabalhadores de meu pai tem pão com fartura, e eu aqui morro de fome!! Levantar-me-ei, e irei ter com o meu pai, e lhe direi: Pai pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus trabalhadores (Lucas 15.17-19) ". Ele escolheu voltar para a casa do Pai. E o seu pai dia a dia tinha esperança que ele voltaria. Assim também Deus quer agir com você nesta noite. Ele disse em sua palavra : " Eis que ponho diante de vós dois caminhos: o da morte e o caminho da vida, escolhes, pois o da vida para que vivais. Siga o exemplo do Filho Prodigo e volte ao seu Lá, pois o Pai te espera. Ele não lançará em seu rosto nada daquilo que você fez. Você será aceito. Ele te ama. Almeja seu retorno neste momento. E você cuja vida se assemelha a daquele ladrão da cruz. Uma vida carregada de crimes e maldades. Assim como o Senhor ofereceu a ambos mais uma oportunidade , ele também faz o mesmo com você. Venha nesta noite entregar a sua vida a Cristo. Ele deseja restaurar tua vida e fazer você uma nova criatura. Perdoar todo o teu pecado, mudar a sua vida , uma nova Criatura. O convite está sendo franqueado para você. Jesus disse em Apocalipse 3.20: " Eis que estou a porta e bato, se alguém ouvi a minha voz e abri a porta entrarei em sua Casa, cearei como ele e ele comigo" . Você irá valorizar ou desprezará a oportunidade de escolher o melhor para você. Lembro-me de um fato, por demais triste,  ocorrido a anos atrás em uma de nossas congregações da Região Metropolitana do Recife: Ano de 1995, Igreja Assembléia de Deus em Cavaleiro, hoje conhecida como Cavaleiro 1. Um domingo. Igreja repleta. O nosso  Pastor José Leôncio Da Silva( em saudosa memória), estava presente naquele culto. Que foi se processando como costumeiramente. O coral, o conjunto, a união de adolescente cantavam alegres. Foi feita a apresentação dos visitantes. E entre os presentes estavam um filho de um das irmãs da congregação. Jovem que outrora freqüentava a igreja, mas devido aos prazeres do mundo saiu da igreja e enveredou pelo mundo do crime. O preletor da noite trouxe a mensagem e insistiu no convite. Ninguém aceitou. Foi quando o Pastor José Leôncio pegou o microfone, continuando o convite. Ele animado como sempre era. Cheio do Espírito Santo, falou algo muito forte. Ele disse que Deus estava dizendo a ele para dizer para alguém que estava ali no culto que aquela era a Ultima oportunidade que ele teria. E ele  insistiu muito para aquele jovem voltasse a casa do Pai. Sem contudo, obter resultado positivo. Para a nossa tristeza, o culto acaba ele impetra a benção pastoral e todos vão para as suas casas. E neste intróito, lá fora estavam alguns malfeitores, esperando qual seria a atitude daquele rapaz. E ao sair pegaram nos seus braços e o executaram próximo a Congregação. Que triste ter que dizer isto nesta noite, mas menos queridos ouvintes. Quem sabe Deus esteja lhes dando oportunidades a tanto tempo você tem endurecido seu coração rejeitando a oportunidade. Não resista a voz de Deus. O livro de Hebreus nos diz assim: " Hoje se ouvires a voz do teu Deus não endureças o vosso coração como na provocação no deserto". Com a permissão do Presbítero quero lançar o convite nesta noite, venha a Cristo!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Cuidado com o vinho, ele pode arruinar sua vida!



A palavra de Deus faz solenes advertências sobre o perigo da embriaguez. Sendo o álcool um dos maiores problemas da família brasileira, cumpre-nos entendermos o que a Bíblia diz sobre o assunto. Destacaremos, aqui quatro pontos:
Em primeiro lugar, quando o vinho é uma ameaça (Pv 23.29, 30). A bebida alcoólica tem sido o maior ladrão de cérebros do mundo. Está por trás da maioria dos crimes passionais e dos acidentes automotivos. Os cemitérios estão cheios de suas vítimas e as cadeiras lotadas de seus protagonistas. Aqueles que se entregam à bebedeira render-se-ão aos lamentos. Serão provocadores de rixas e intrigas. Passarão a vida bebendo e se queixando dos males que eles mesmos provocaram. Aquele que se demora em beber vinho e busca bebida misturada labora contra si mesmo, cava sua própria cova e pavimenta o caminho de sua própria destruição. O alcoolista não apenas atenta contra sua própria vida, mas, também, transtorna sua própria família. Torna-se motivo de opróbrio para o cônjuge e vergonha para os filhos.
Em segundo lugar, quando a sedução do vinho é um laço (Pv 23.31, 32)O vinho é uma bebida apreciada no mundo inteiro desde os tempos mais remotos. Jesus transformou água em vinho numa festa de casamento, inaugurando os seus milagres. Era símbolo da alegria e um importante alimento. Era usado como remédio e não faltava à mesa das pessoas ricas ou pobres. O vinho, porém, tem seus perigos e ameaças. O vinho tem um forte poder de sedução. Tem cheiro e sabor. Resplandece no copo e escoa suavemente. Aqueles que desprezam seu poder de sedução e domínio e perdem a sobriedade, são picados por uma víbora venenosa. A cobra é um animal sutil. Não rosna como um cão bravo nem urra como um leão esfaimado. A cobra espreita. Arma o bote e ataca repentina e implacavelmente. Seu bote é certeiro. Sua mordida é venenosa. Sua picada é mortal. Ninguém se inicia na bebida como um ébrio. Alguns, porém, flertam com a bebida e ficam presos em seus laços. Em vez de terem domínio próprio, são dominados pelo vinho. Tornam-se dependentes e adictos. Não conseguem beber com equilíbrio. Não sabem beber com moderação. São escravos da bebida. São dominados pela sedução do álcool. O resultado dessa escravidão é a dor, o sofrimento e a morte. A mordida dessa cobra e a picada desse basilisco pode ser fatal. Fuja do álcool enquanto é tempo!
Em terceiro lugar, quando os efeitos do vinho são desastrosos (Pv 23.33). O vinho em excesso provoca alucinação. O álcool tem o poder de tirar a sobriedade. A embriaguez rouba o cérebro do homem, embaralha sua visão, entorpece seu entendimento e diminui seus reflexos. Um homem bêbado vê coisas esquisitas e fala coisas perversas. Seus olhos e sua boca são arrebatados pela loucura. Seus sentidos são alterados. Dentre os muitos efeitos do álcool, o texto em apreço destaca dois. O primeiro deles é que uma pessoa bêbada não consegue ver as coisas como elas são. Sua avaliação da realidade é completamente alterada. Sua percepção das coisas é embotada. Seu discernimento fica manco. Seus reflexos ficam lentos. Sua análise dos fatos completamente deficiente. O segundo efeito do álcool é que o coração do ébrio fala coisas perversas. Uma pessoa bêbada desanda a boca para falar impropérios e blasfêmias. O álcool não é prejudicial apenas a saúde; é letal ao bom nome, é nocivo à honra, é desastroso à família e à sociedade.
Em quarto lugar, quando o bebedor de vinho chega ao fundo do poço (Pv 23.34, 35)O beberrão começa sua triste jornada olhando para o copo, sendo atraído pelo brilho do vinho e pela sedução de seu cheiro e termina sua inglória caminhada sendo jogado de um lado para o outro, ao sabor das ondas revoltas do mar da vida. Deitar-se no meio do mar é viver como um náufrago, sem chão, sem terra para pisar, sem casa para voltar. Deitar-se no alto do mastro fala de uma solidão avassaladora, de um isolamento cruel, de um auto-banimento amargo. Quando esse homem se levanta da tormenta e da solidão, seu corpo está cheio de hematomas e feridas. Foi espancado, mas nem sabe quem o agrediu. Ele tornou-se saco de pancada. Cair de porta em porta, perambular de boteco em boteco, chegar em casa com cheiro de álcool, ferido no corpo e na alma nem mais lhe provoca dor. Foi surrado e voltará a ser, porque já perdeu o pudor e a sensibilidade. Quando despertar do torpor do álcool, sabe o que ele fará? Voltará a beber! É um adicto. É um dependente! É um escravo do vício! Foi picado pela cobra venenosa do álcool. A não ser que seja liberto pela força divina, não conseguirá sair por si mesmo dessa masmorra cruel. Cuidado com o vinho!

* A imagem não consta da postagem original.