segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

4 ATITUDES IMPRESCINDÍVEIS AO PERFIL DE UM CRENTE MADURO


Por João Paulo Souza


Meus leitores, pensando sobre a maturidade em Cristo, que é um alvo que todo crente deve buscar alcançar, resolvi escrever um pouco. Abaixo discorro sobre quatro atitudes imprescindíveis à vida cristã que demarcam o perfil de um crente maduro. Dessa forma, espero que sejam edificados, como pedras vivas que são, no edifício do Senhor.

Ler as Escrituras diariamente. Não foi à toa que, ao inspirar homens santos (2 Pedro 1.21), Deus sempre insistiu na necessidade preciosa de lermos a Bíblia diariamente. Assim como precisamos do alimento terreno todos os dias de nossa vida humana, carecemos do nutrimento celestial para sustento da vida espiritual. De acordo com Jesus, “não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mateus 4.4).

Orar constantemente. A oração aproxima-nos de Deus, fazendo-nos crer na Sua existência e na prontidão em nos ouvir e atender. Oração não é uma opção, mas uma obrigação, um dever cristão. Segundo nosso Mestre, devemos “orar sempre e nunca esmorecer” (Lucas 18.1). Paulo, o apóstolo dos gentios, admoestando aos tessalonicenses, disse: “Orai sem cessar” (1 Tessalonicenses 5.17). Tiago também nos dá sua contribuição sobre esse tema, quando assevera que a oração, feita por um justo, “muito pode, por sua eficácia” (Tiago 5.16b). Portanto, “esta é a confiança que temos para com ele: que, se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve. E, se sabemos que ele nos ouve quanto ao que lhe pedimos, estamos certos de que obtemos os pedidos que lhe temos feito” (1 João 5.14-15).

Santificar-se continuamente. As Escrituras dizem que, sem santificação, “ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12.14). De acordo com Donald C. Stamps, em nota sobre esse versículo na Bíblia de Estudo Pentecostal1, “ser santo é estar separado do pecado e consagrado a Deus. É ficar perto de Deus, ser semelhante a Ele, e, de todo o coração, buscar sua presença, sua justiça e a sua comunhão”. A santidade implica posse e uso do Senhor sobre os seus servos. Os salvos somos “povo de propriedade exclusiva de Deus” (2 Pedro 2.9). Servimos ao Deus Santo. Por isso, devemos ser santos em toda nossa maneira de viver.

Vigiar sobriamente. A vigilância também é imprescindível à vida cristã. Vigiar, conforme Orlando Boyer, em sua Pequena Enciclopédia Bíblica2, quer dizer “estar atento a; velar por”. Neste sentido, o apóstolo Pedro admoesta-nos a que estejamos sóbrios e vigilantes, pois “o diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (1 Pedro 5.8). De fato, o Inimigo pode fazer estragos irreparáveis na vida de um crente. Judas que o diga (João 13.2)! Por essa razão, devemos sempre agir como um atalaia, para que não sejamos pegos de surpresa. Portanto, assim diz o Senhor: “Venho sem demora. Conserva o que tens, para que ninguém tome a tua coroa” (Apocalipse 3.11; cf. Efésios 4.25-32).

1Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.
2BOYER, Orlando. Pequena enciclopédia bíblica. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.

Um comentário:

Divaldes Dires disse...

Não há dúvidas, isso é uma verdade precisamos colocar em prática na nossa vida.E é bom sempre lembrar.