sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Porque certos cantores e pregadores evangélicos desviam-se da fé


Por João Paulo Souza




Fazendo uma breve análise sobre a realidade da vida de certos cantores e pregadores evangélicos - se é que se converteram de verdade - que temos no Brasil, cheguei a uma triste constatação. Parece-me que eles estão perdendo a graça e a autoridade espiritual que tinham no começo da caminhada cristã. Pensando nisso, tracei alguns motivos que levaram ou levam essas pessoas a extinguirem a presença de Deus nas suas vidas.

1. O desejo pela fama. Quantos não foram aqueles e aquelas que começaram seu ministério em igrejas pequenas e humildes? Mas hoje sequer pisam nessas mesmas igrejas. Por que será? Senão porque a ambição da fama desnudou-lhes a simplicidade do Evangelho que lhes vestia. De acordo com o Dicionário Caldas Aulete, a palavra "fama" significa "condição do que é conhecimento por muita gente; notoriedade". Mas, no Reino de Deus, essa realidade é invertida. João Batista que o diga: "Convém que ele [Jesus] cresça e que eu diminua" (João 3.30, ARA, grifo nosso).

2. O anelo pela ostentação. O Dicionário Eletrônico Houaiss define "ostentação" como "ostensão" que, por sua vez, explica-se pelo "ato de fazer alarde de si ou de alguma coisa sua, ger. por orgulho ou vaidade; afetação de exibir(-se) (...) exibição de luxo, poder, riqueza, magnificência". Não precisamos ir muito longe, navegando na internet, para encontrarmos fatos acerca dessa realidade no meio dito evangélico, como, por exemplo, a ostentação no uso de roupas, de relógios, de carros caríssimos, de exigências vaidosas, etc.. De onde vem tanto dinheiro? Será que existe algum mandamento na Bíblia a favor da ostentação?

3. O amor ao dinheiro. Onde podemos encontrar respaldo bíblico para o enriquecimento a torto e a direito como vontade divina para os crentes? Paulo, o apóstolo dos gentios, deixou bem claro que o "amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. [ E que] Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram com muitos sofrimentos" (2 Timóteo 6.10, NVI, grifo nosso). Nesse sentido, quantos cantores e pregadores evangélicos buscam apenas dinheiro e bens materiais através de suas performances, enganando e sendo enganados? Jesus ensinou-nos que devemos, antes de mais nada, juntar tesouros no Céu, "onde traça nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam, nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração" (Mateus 6.20-21).

4. O ensimesmamento. O sentido de ensimesmar-se é "voltar-se para dentro de si mesmo; concentrar-se, recolher-se" (Dicionário Eletrônico Hoaiss). Todos aqueles e aquelas que desprezam a centralidade de Deus em suas vidas buscam seus próprios interesses, desejos e vontades. O rei Saul serve-nos de exemplo. Este monarca perdeu seu trono porque buscou centralizar-se em si mesmo (1 Samuel 15.28). Semelhantemente, certos cantores e pregadores terão seus "tronos" tirados pelo Rei dos reis e Senhor dos Senhores!

O desejo pela fama, o anelo pela ostentação, o amor ao dinheiro e o ensimesmamento alimentados por essas pessoas levam-nas a irem perdendo paulatinamente a comunhão com Deus. Triste realidade. Diante disso, cabe-nos orar, mas também combater ostensivamente essas atitudes réprobas e, quem sabe, converter os pecadores dos seus maus caminhos e salvá-los da morte eterna (Tiago 5.20).

2 comentários:

Elson Nascimento disse...

Além de concordar acrescento a história de João o Batista, quando ele começou a perder discípulos para Jesus. Em todo o tempo ele glorificou a Cristo e não usurpou de uma glória que não pertencia a ele. Por isto esses pregadores e cantores desvian-se, eles querem uma glória que não os pertence

João Paulo Souza disse...

Irmão Elson, meu amigo, a paz do Senhor!

Agradeço pela visita ao nosso blogue, bem como sua contribuição.

Em Cristo,

João Paulo Souza