sábado, 21 de novembro de 2015

Menos que um gato





Quando eu estava grávida (perdi o bebê aos cinco meses de gestação), lembro que Chantilly, como sempre, vinha para meu colo; mas, na minha nova condição, ele não conseguia relaxar - ficava olhando em volta, procurando aquela presença que sentia mas não via. E me assombro ao pensar que, neste mundo de hoje, há tanta gente com menos percepção que um gato.

A imagem acima não consta da postagem original.

Nenhum comentário: