sábado, 13 de junho de 2015

Pobreza e sabedoria podem andar juntas?


O livro de Eclesiastes deixa-nos um interessante conselho: "Melhor é o jovem pobre e sábio do que o rei velho e insensato, que já não se deixa admoestar, ainda que aquele saia do cárcere para reinar ou nasça pobre no reino deste" (4.13-14). Quais verdades práticas podemos extrair desse texto?

Vivemos numa sociedade consumista. O que vale mais para o mundo sem Deus é ter muito dinheiro, roupas caríssimas, casas luxuosas, carros importados, destaque nas mídias mais influentes etc. Para os insensatos, o cúmulo do absurdo é estar pobre materialmente. Esquecem-se de que existem vários tipos de riqueza das quais os homens e mulheres podem desfrutar.

Salomão afirma que "melhor é o jovem pobre e sábio do que o rei velho e insensato". Impactante assertiva! Ele, o filho de Davi, traz à tona a verdade de que a sabedoria é mais importante do que as riquezas materiais. Por quê? Porque estas podem nos servir de recursos financeiros e de plataforma social, mas aquela vai mais além do que isso. A sabedoria protege-nos dos males da insensatez e da vaidade. Ser sábio é saber aplicar o conhecimento adquirido de forma precisa e adequada.

Em Eclesiastes 9.13-15, está escrito que um homem pobre mas sábio livrou uma pequena cidade, na qual havia poucos homens, da invasão de um grande rei que, apesar de ter construído baluartes contra essa cidade, não conseguiu vencê-la. Percebe-se que aquele homem sábio instrumentalizou seus conhecimentos de modo que alcançou êxito na defesa de sua terra. Ainda que aquela cidadezinha tivesse poderosas armas bélicas e numerosos homens - mas que fossem insensatos -, não poderia livrar-se dos ataques inimigos.

O escritor de Eclesiastes também salienta que existem pessoas jovens e sábias, contradizendo o ditado popular que diz que "com os velhos está a sabedoria". Nem sempre a velhice é sinônimo de sabedoria, pois nos versos em questão fica claro que o velho era insensato. Mais uma verdade para assimilarmos: pobreza e sabedoria podem andar juntas!

Outra verdade clara de Eclesiastes 4.13-14 é que o "súdito" pode superar o "rei" em sabedoria. O "súdito" nem sempre será insensato. Outrossim, o inverso também é verdade: o rei nem sempre será "sabio". Então, pode o "súdito" ensinar ao "rei"? Ou só o "rei" ensinará ao "súdito"?

O verso 14 desse texto revela que o súdito pode ser rei, ainda que tenha sido encarcerado ou tenha nascido numa família pobre. Segundo Ana, 

O SENHOR empobrece e enriquece; abaixa e também exalta. Levanta o pobre do pó e, desde o monturo, exalta o necessitado, para o fazer assentar entre os príncipes, para o fazer herdar o trono de glória; porque do SENHOR são as colunas da terra, e assentou sobre elas o mundo (1 Samuel 2.7-8).

João Paulo M. de Souza

Nenhum comentário: