sábado, 27 de abril de 2013

Deus "Onisciente"

     
                      


Antes de ti, mais ninguém, e atualmente também
És o Amor verdadeiro, Deus hospitaleiro, altíssimo Rei
És o Amor verdadeiro, Deus onisciente, altíssimo Rei

Criaste o céu e a terra, rios e mares também
Chamaste trevas de noite, de dia luz, tudo bem
Criaste aves e plantas, toda beleza que há
Criaste a mim tua imagem, ó querido Jeová
Criaste a mim tua imagem, ó querido Jeová

Antes tu destes uma ordem, há de ti obedecer
deste por fim o livre-arbítrio
Salvação ou padecer
deste por fim o livre-arbítrio
Salvação ou padecer

Criaste o céu e a terra, rios e mares também
Chamaste trevas de noite, de dia luz, tudo bem
Criaste aves e plantas, toda beleza que há
Criaste a mim tua imagem, ó querido Jeová
Criaste a mim tua imagem, ó querido Jeová

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Dica literária: "O líder que Deus usa: resgatando a liderança bíblica para a igreja no novo milênio"


"Você sabe qual é o caráter do líder que Deus usa?

Você sabe o que procurar nos líderes chamados ao ministério?

Qual foi a prática da liderança de Jesus?

Quais são os possíveis impedimentos à liderança efetiva?

O que é uma liderança equilibrada?

Quais são as atitudes que fazem a liderança bíblica bem-sucedida?

Você sabe quais são as recompensas da liderança?

Estas e outras perguntas são alguns dos principais temas abordados pelo Dr. Shedd. Ele usa de sua rica experiência para discorrer sobre estes temas de forma estimulante e desafiadora. Certamente, pastores, leigos, e futuros líderes se beneficiarão ricamente na leitura deste livro."

SHEDD, Russel P..O líder que Deus usa: Resgatando a liderança bíblica para a igreja no novo milênio. São Paulo: Vida Nova, 2000. 128 p.

terça-feira, 23 de abril de 2013

Sobre os injustos privilégios aos parentes e às pessoas próximas



"Nepotismo (do latim nepos, neto ou descendente) é o termo utilizado para designar o favorecimento de parentes (ou amigos próximos) em detrimento de pessoas mais qualificadas, especialmente no que diz respeito à nomeação ou elevação de cargos.
Originalmente, a palavra aplicava-se exclusivamente ao âmbito das relações do papa com seus parentes  - particularmente com o cardeal-sobrinho (em latim: cardinalis nepos; em italiano: cardinale nipote), mas atualmente é utilizado como sinônimo da concessão de privilégios ou cargos a parentes no funcionalismo público. Distingue-se do favoritismo simples, que não implica relações familiares com o favorecido.
Nepotismo ocorre quando, por exemplo, um funcionário é promovido por ter relações de parentesco com aquele que o promove, havendo pessoas mais qualificadas e mais merecedoras da promoção. Alguns biólogos sustentam que o nepotismo pode ser instintivo, uma maneira de seleção familiar. Parentes próximos possuem genes compartilhados e protegê-los seria uma forma de garantir que os genes do próprio indivíduo tenham uma oportunidade a mais de sobreviver." (Wikipédia).
Aproveitando a oportunidade, lançarei a seguinte pergunta: Nas igrejas evangélicas, será que existe a prática de nepotismo? Também, do texto acima, gostaria de pinçar a seguinte explicação dessa nojosa atitude: "favorecimento de parentes (ou amigos próximos) em detrimento de pessoas mais qualificadas, especialmente no que diz respeito à nomeação ou elevação de cargos".
Quanto ao exposto, as Escrituras não se calam: "Se, todavia, fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, sendo arguidos pela lei como transgressores. Não julgueis segundo a aparência e sim pela reta justiça" (Tg 2.9; Jo 7.24).

João Paulo M. de Souza 

domingo, 21 de abril de 2013

Três anos de blogosfera cristã!


No dia de hoje, este simples blog completa três anos de existência na blogosfera cristã, defendendo princípios bíblicos acima de tudo, sem ceder às influências e aos meros caprichos de homens. Por isso, aproveitando sua rica utilidade, agradeço às centenas de visitantes diários e as quase centenas de milhares de acessos que esta página já recebeu.

A despeito das inúmeras imperfeições e fraquezas, o editor deste blog continua caminhando mediante a graça de Cristo, por agradar ao Pai Celeste, e, após a completude da carreira que lhe foi proposta, adentrar, sorrindo, junto com seus irmãos e irmãs, nas mansões eternas, para ali morar com Deus.

"Irmãos , quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus" (Fl 3.13, 14).

Um forte abraço a todos! "Irmãos, orai por nós" (1 Ts 5.25).

João Paulo M. de Souza

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Duas fotos, dois protestos; um é democracia; o outro é gritaria fascistoide. Ou: O regime democrático, a forma e o conteúdo




A primeira retrata militantes cobrando, a seu modo, a saída do deputado Marco Feliciano (PSC-SP) da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. A segunda registra o protesto pacífico e silencioso feito por um grupo de evangélicos, nesta quarta, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. Eles pedem que os condenados João Paulo Cunha e José Genoino deixem a CCJ. 

E aí?
Muitos são contrários à permanência de Feliciano numa comissão. Muitos são contrários à permanência de João Paulo e Genoino na outra comissão. Muitos gostam de Chicabon. Outros preferem o sorvete que é de uva… Na democracia, respeitados os parâmetros constitucionais, a forma é mais importante do que o conteúdo. Na democracia, as pessoas divergem sobre conteúdos e concordam na forma. A alternativa é o estado da natureza, todos contra todos. “Então, sendo educadinho, tudo pode?”, pergunta o petralha anarfa. Não! Estabeleci ali o limite na oração subordinada adverbial condicional reduzida de particípio: “respeitados os parâmetros”. Para entender o que escrevo, petralhas, é preciso ficar atento às sutilezas das reduzidas de particípio! Na língua, o conteúdo é tão importante quanto a forma.

Os evangélicos disseram o que pensam.
Os evangélicos não impediram os trabalhos.
Os evangélicos se opuseram à presença dos dois condenados, mas respeitaram o Congresso, que é maior do que Feliciano, que é maior do que João Paulo e Genoino,  que é maior do que os evangélicos, que é maior do que os católicos, que é maior do que os gays, que é maior do que criminosos sacramentados pela Justiça, que é maior do que as corporações de ofício, que é maior dos que as corporações de gosto…

Dá para entender a diferença entre a democracia e a bagunça fascistoide? Dá para entender a diferença entre quem é contra o que o outro pensa ou representa e se manifesta de forma pacífica e quem tenta intimidar, calar, agredir, enxotar?

Dicas e perguntas
Fiquem atentos. Será que essa manifestação silenciosa vai parar na primeira página dos jornais? Se não for, é sinal de que, entre o protesto democrático e as falanges fascistoides, os jornais escolheram a segunda alternativa, e aí é hora de você escolher melhor os jornais. Será que essa manifestação silenciosa vai parar nas televisões? Se não for, é sinal de que, entre o protesto democrático e as falanges fascistoides, as televisões escolheram a segunda alternativa, e aí é o caso de escolher melhor a TV. Mais dia, menos dia, chegará a hora de discutir o “controle da mídia”. Os meios de comunicação podem estar, também eles, escolhendo a interlocução: truculência, gritaria, xingamento, demonização do outro… ou democracia.

“Não respondo a provocação”, afirmou Genoino, segundo leio na Veja.com, ao deixar rapidamente o plenário. Provocação? Qual provocação?

Quero encerrar deixando bem claro uma coisa: eu não estou igualando as duas situações porque igualáveis elas não são. José Genoino foi condenado em última instância por corrupção ativa e formação de quadrilha. João Paulo Cunha foi condenado em última instância por corrupção ativa, peculato e lavagem de dinheiro. Feliciano não foi condenado por nada até agora, em instância nenhuma. Concorde-se ou não com o que ele pensa, e eu não concordo, sua presença numa comissão não é afronta nenhuma à democracia. As de João Paulo e Genoino são um escárnio. Um futuro presidiário e outro que só não irá em cana porque inexistem instituições para o regime semiaberto no país julgarem a constitucionalidade e a justiça de dispositivos legais é coisa de republiqueta, de país bananeiro, de nação controlada por uma súcia.

Parabéns aos evangélicos. É assim que se faz.

Por Reinaldo Azevedo


Fonte: Blog Reinaldo Azevedo na VEJA.com

As marcas do ministério de Paulo


Após ler 2 Co 11.23-33 e ter recebido força espiritual da parte de Deus, achei por bem transcrever algumas das dificuldades que permearam a gloriosa carreira que trilhou o doutor dos gentios. Reflitamos, pois, acerca do legado de Paulo a todos os servos de Cristo.

Paulo, durante o seu ministério, vivenciou:
  • Excessivos trabalhos (v.23);
  • Prisões (v.23);
  • Açoites (v.23, 24);
  • Perigos de morte (v.23);
  • Fustigos (v.25);
  • Apedrejamento (v.25);
  • Naufrágios (v.25);
  • Jornadas (v.26);
  • Perigos de rio (v.26);
  • Perigos de salteadores (v.26);
  • Perigos entre os seus compatriotas (v.26);
  • Perigos entre gentios (v.26);
  • Perigos na cidade (v.26);
  • Perigos no deserto (v.26);
  • Perigos no mar (v.26);
  • Perigos entre falsos irmãos (v.26);
  • Trabalhos e fadigas (v.27);
  • Vigílias [noites sem dormir] (v.27);
  • Fome (v.27);
  • Sede (v.27);
  • Jejuns (v.27);
  • Frio (v.27);
  • Nudez (v.27);
  • Preocupação com todas as igrejas (v.28, 29);
  • Perseguição (v.32);
  • Livramento de Deus (v.33).

Enfim, em Filipenses 4.13, Paulo diz: "Tudo posso naquele que me fortalece". E em Romanos 8.37, assinala: "Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou". Glórias ao Pai! Nada "poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor" (Rm 8.39)!

Em Cristo,

João Paulo M. de Souza

domingo, 14 de abril de 2013

O ledo engano de muita gente com relação à Igreja de Cristo


Diferente do que muitos pensam, a Igreja, a Noiva do Cordeiro (Ap 19.7), não pertence a este ou àquele lugar, senão que ela "está" esparramada em diversos pontos  de nosso planeta. Geralmente, esse erro grotesco é cometido  por meio do pecado de vanglória em pessoas que pensam que "sua" denominação é a melhor de todas. Com esse medíocre pensamento, os partidários acabam despojando de si o princípio de unidade por qual primava a Igreja Primitiva (At 2.44).

Em Corinto, a situação era lamentável, pois os irmãos dali alimentavam a politicagem dentro da igreja local: "Refiro-me ao fato de cada um de vós dizer: Eu sou de Paulo, e eu, de Apolo, e eu, de Cefas [Pedro], e eu, de Cristo" (1 Co 1.12, ênfase minha). Reparou o grau de contenda? Os irmãos que assim procediam não estavam nem um pouco preocupados com a unidade da igreja, mas com seus próprios interesses. Não é isso que vemos em alguns arraiais evangélicos, lugares que deveriam dar o exemplo?

Quando uma igreja arvora o seu próprio nome, em vez de glorificar a Cristo, é porque está doente e é partidarista.  Não discordo de que devemos comungar numa denominação - conforme orientação bíblica (Hb 10.25) -, mas viver comparando denominações em detrimento da unidade em Cristo é um desperdício mental e espiritual sem tamanho. Uma importante exceção: existem igrejas (igrejas?) que não merecem a nossa confiança, porque negam o senhorio e o poder de Jesus, bem como os principais pilares da sã doutrina. Destas, devemos-nos afastar!

Voltando à Primeira Epístola de Paulo aos coríntios, examinemos a primeira parte do versículo 2 do capítulo 1: "à igreja de Deus que está em Corinto..." Observou que a Igreja de Deus "estava em", mas não era "de" Corinto? Na verdade, nós somos peregrinos e forasteiros aqui (1 Pd 2.11). Portanto, deixemos de nos inflar diante de nossos próprios enganos e retornemos ao primeiro amor, de onde realmente caímos (Ap 2.5).

No Senhor,

João Paulo M. de Souza

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Maioria rejeita união civil gay em enquete do ‘G1′!


O portal de notícias G1 divulgou o resultado da enquete que questionou se os internautas eram a favor ou não da aprovação da união civil gay no Congresso. O resultado revelou que 57,85% são contra o casamento gay e 41,15% são a favor.
pastor Silas Malafaia mobilizou os cristãos para participar da votação, pois o portal chegou a tirar do ar a enquete, quando percebeu que o NÃO ganharia. Por pressão dos evangélicos, a enquete voltou  e ficou disponível até as 22h desta quinta-feira (11).
“O que está em jogo é o futuro da família. Querem aprovar a união civil gay para depois chegarem à legalização do casamento homossexual. Não podemos nos omitir”, ressaltou pastor Silas, que encaminhou na manhã desta quinta-feira (11) um e-mail à direção da Rede Globo para criticar a forma como a enquete foi promovida.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Deputado diz que Feliciano sofre preconceito por ser evangélico



Para o deputado federal Takayama (PSC-PR), o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) está sofrendo preconceito por ser evangélico já que nunca houve manifestações contrárias aos demais deputados que assumiram a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias.
A fala do deputado aconteceu na segunda-feira (8) durante uma sessão no plenário da Câmara que prestava uma homenagem à Igreja Assembleia de Deus.
“Nós nunca nos opusemos aos simpatizantes da homossexualidade ou de qualquer outra visão estar ocupando a presidência de comissões, mas quando temos a oportunidade de colocar um presidente em uma comissão, querer dizer que não podemos? Vale a pena a reflexão sobre toda essa situação”, disse.
Takayama chegou a enviar um recado aos líderes partidários da Câmara dos Deputados que se reuniram nesta terça-feira (9) com Feliciano para tentar forçá-lo a renunciar: “Se deixar prevalecer meia dúzia de ativistas porque não têm visão igual a nossa, podemos colocar dois, três quatro milhões de cristãos na porta dessa Casa”.
Na visão do deputado, ao permitir tais manifestações contra Feliciano, a Câmara está abrindo precedentes que poderão atingir no futuro outros setores da Casa.
O deputado paranaense também citou que estão considerando todos os evangélicos como homofóbicos, uma afirmação falsa. “Se querem colocar essa pecha, não vão nos colocar. Não amamos a prática.”Com informações Folha de SP.
Fonte: Gospel Prime

terça-feira, 9 de abril de 2013

Nossas atitudes refletem as de Cristo?


"Então, disse Jesus a seus discípulos: Se alguém que vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me" (Mt 16.24).

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Porque o mundo nos odeia



"Eu [Jesus] lhes tenho dado a tua [Deus Pai] palavra, e o mundo os odiou, porque eles não são do mundo, como também eu não sou" (Jo 17.14, ênfase minha).

A grande causa da ojeriza de certos cidadãos (cidadãos?) e cidadãs (cidadãs?) de nossa sociedade contra os verdadeiros cristãos é porque estes guardam a Palavra em seus corações (Sl 119.11). Essas pessoas mal-intencionadas compõem o mundo, a sociedade influenciada pelo Maligno.  

Como disse Pedro (1 Pd 4.4), os  dissolutos difamam e estranham o nosso bom procedimento em Cristo, por não andarmos no mesmo desenfreamento moral que eles adoram. Todavia, não desfaleçamos por isso, sabendo de que quem nos chamou foi Deus. Logo, sendo Deus Santo, sejamos também santos em toda maneira de viver (1 Pd 1.15).

No Senhor,

João Paulo M. de Souza

As "consequências" do pecado na vida de quem vive pecando



quarta-feira, 3 de abril de 2013

Moralismo: uma arma sutil para os que o hospedam


"[...] estes de Bereia receberam a palavra com toda a avidez, examinando as Escrituras todos os dias" (At 17.11, ARA).

Concernente à realidade evangélica de hoje, cabe-nos refletir, de fato, acerca de tudo quanto a vida em Cristo nos proporciona: "Julgai todas as coisas, retende o bem" (1 Ts 5.21). Por isso, jamais sejamos moralistas, a ponto de nos escusar do verdadeiro amor de Deus (1 Co 13). Em outras palavras: Quantas vidas não foram "mortas espiritualmente" dentro das igrejas que se julgam as únicas donas da verdade de Deus, por motivos mesquinhos e triviais?

Numa de suas acepções para "moralismo", o dicionário da língua portuguesa Houaiss diz assim (rubrica: ética): "consideração moral inconsistente por estar separada do sentimento moral, por ser baseada em preceitos tradicionais irrefletidos ou por ignorar a particularidade e a complexidade da situação julgada". 

Mediante às atrocidades comportamentais exigidas exacerbadamente em nome de Deus, podemos apontar três erros grosseiros que se cometem em muitos arraiais cristão-moralistas: "consideração moral sem consistência compassiva", "preceitos tradicionais irrefletidos" e "ignorância quanto à adoção de forma invariável de análise das situações julgadas". O homem cria fôrmas, Deus opera multiformemente!

Estando assentado em casa, à mesa, com muitos publicanos - um dos quais era Mateus - e pecadores, Jesus ensinou aos moralistas ou fariseus de então, enquanto estes o criticavam por haver recebido homens "desprezíveis" em seu aconchego, uma melhor atitude de coração: "Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero e não sacrifícios; pois não vim chamar os justos, e sim pecadores [ao arrependimento]" (Mt 9.13). Para compreender melhor essa história, leia Mateus 9.9-13.

Para fortalecer e ampliar a nossa compreensão do "coais o mosquito e engolis o camelo" (Mt 23.24), ouçamos John Piper:

         

Em Cristo Jesus,

João Paulo M. de Souza

terça-feira, 2 de abril de 2013

A Cada Instante Quero Eu Viver...

               


A cada instante quero teu olhar, Senhor, a tua mão
Te quero na alegria ou na provação, quão frágil sou...
E, quando esta jornada aqui findar, eu subirei
Sim, face a face, eu hei de contemplar, ó Rei dos reis

A cada instante quero a tua proteção, o teu cuidar
Se a cada instante sinto a tua direção, vou caminhar...
E, quando essa jornada aqui findar, eu subirei
Sim, face a face, eu hei de contemplar, ó Rei dos reis

A cada instante quero eu viver, Senhor, com devoção
A cada instante quero eu viver, com amor e com razão