sexta-feira, 27 de setembro de 2013

A avareza dos falsos mestres e de sua clientela e um bom conselho pra quem quer viver bem


Comumente, os falsos mestres adoram enganar os desavisados de plantão, e, "movidos por avareza" (2 Pedro 2.3), lavam a burra com suas artimanhas. Esses homens inescrupulosos aproveitam-se da vulnerabilidade de seus fiéis (ou clientes?), e, em troca de dinheiro, oferece-lhes qualquer coisa, menos o santo Evangelho de Jesus. Usam o nome "Jesus", mas sequer o conhecem (Mateus 7.23). O que eles gostam mesmo é da gordura financeira de suas "ovelhas". 

De acordo com Paulo, "os que querem ficar ricos, caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição" (1 Timóteo 6.9). No verso seguinte, diz o apóstolo: "Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males". Atente-se que o mal surge pelo "amor ao dinheiro", mas não por possuí-lo. Os ambiciosos, nesse caso, não desejam apenas ter o necessário, sempre querem mais! Nunca se sentem satisfeitos com o que têm. Sempre orbitam em torno do dinheiro!

Por outro lado, para quem deseja viver bem e gozar das benesses de Deus aqui na Terra, o melhor a fazer é não ser orgulhoso, nem depositar a própria "esperança na instabilidade da riqueza, mas em Deus, que tudo nos proporciona ricamente para nosso aprazimento" (1 Timóteo 6.17). Indiscutivelmente, "nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes" (1 Timóteo 6.7, 8).

João Paulo M. de Souza

Um comentário:

Daladier Lima disse...

Oh! Querido João Paulo quem se contenta hoje em dia? Se os ministros não dão exemplo no quesito, o que dizer dos demais?

Abraços!