terça-feira, 20 de agosto de 2013

Um dos paradoxos de certos professores


Professor é aquele que ensina. Formalmente, significa "indivíduo que se especializou em ensinar, em escola ou universidade; docente, mestre" (Dicionário Aulete Digital). A bem da verdade, além daqueles que se formaram em instituições legais de ensino, também, comumente, são chamados de professores  aquelas pessoas que são peritas em alguma coisa.

Apesar de, na acepção da palavra professor, constar o termo "especialização", nem todos, de fato, se especializam. Essa falta de preparo reflete-se na hora de aplicar "o que se aprendeu" - se é que realmente se apreendeu alguma coisa de seu campo de conhecimento.

Na igreja, por exemplo, existem vários professores. Ou melhor, professores e "professores". Estes, geralmente, são delineados pela mediocridade com que se valem em suas atividades. E o pior: alguns deles deixam claramente transparecer que não gostam de ler. Pesquisa...? Nem sonhando...

O bom professor, independente de sua instância de ação, preocupa-se com a sua formação, bem como com a de seus alunos. Para ele, a análise e a reflexão crítica acerca de variadas leituras sobre diversos assuntos são instigantes e recompensadoras.

Bem diferente disso, certa feita, ouvi da boca de um "professor" de escola bíblica dominical a seguinte frase: "Eu não gosto de ler". Ao que me indaguei em pensamento: "Este 'abençoado' está fazendo o que aqui? Como pode alguém se dizer professor e não ser um leitor habitual?" Por incrível que pareça, essa é uma realidade em muitas igrejas brasileiras. Indubitavelmente, essa prática compõe o sem-número de paradoxos de certos professores.  

O apóstolo Paulo, sabendo da necessária preparação de quem deseja ser um bom professor, disse a Timóteo: "Aplica-te à leitura" (1 Tm 4.13). Em Romanos 12.7, ele assevera: "O que ensina esmere-se no fazê-lo". Enfim, em Daniel 12.3, está escrito: "Os sábios, pois, resplandecerão como o resplendor do firmamento; e os que a muitos 'ensinam' a justiça refulgirão como as estrelas, sempre e eternamente" (Almeida Revista e Corrigida, minha ênfase).  

No Senhor,

João Paulo M. de Souza  

4 comentários:

Vanessa S. da Silva disse...

Olá querido irmão! Concordo plenamente com sua postagem! Existe um ditado que diz: "Quem para de ler, para de crescer. Quem para de Crescer, para de ensinar". Portanto, a leitura é primordial para aqueles que querem passar algo à alguém.

Parabéns pela postagem!

Vanessa. http://incondicionalamordeus.blogspot.com.br/

João Paulo disse...

Irmã vanessa, a graça e a paz do Senhor!

Agradeço por sua visita! Volte sempre!

Deus te abençoe!

No Senhor,

João Paulo

Pedro Henrique Martins disse...

Excelente postagem, amado JP!

Sem contar a seriedade de ensinar algo com os lábios e o contrário com o procedimento.

Saudades do amigo/irmão!

Abraço,

PH

João Paulo disse...

Querido irmão e amigo Pedro, a graça e a paz do Senhor!

Sem dúvida, para quem deseja ser bem-sucedido em sua vida docente ou de "mestre" na igreja, jamais deve prescindir da indispensável relação entre a palavra e o testemunho.

Realmente faz um bom tempo que não nos comunicávamos.

Um forte abraço, meu querido!

João Paulo