domingo, 18 de agosto de 2013

Não reine o pecado em nossos corações


Quantos de nós, apesar de confessarmos publicamente o nome de Jesus, não falhamos espiritualmente durante a caminhada cristã? Mesmo buscando o amadurecimento - mas por falta de vigilância - somos pegos, de supetão, pelos deslizes. Esses erros nos fazem desanimar, a ponto de pensarmos às vezes que jamais alcançaremos de novo uma legítima reconciliação com Deus.

A vida em Cristo é a maior dádiva de Deus às pessoas. Porém, com ela, temos de cumprir a vontade divina (Mt 26.42). Se temos de seguir os mandamentos do Senhor, logo suprimimos o que queremos, desejamos e almejamos de nós mesmos. No caminho de Jesus também há espaço para a angústia, a aflição e a tribulação (Mt 26.36-38). Devemos aprender a viver essas duas realidades.

Não é tão fácil assim negar-se a si mesmo. Na verdade, ninguém consegue fazê-lo, senão somente com a ajuda do Espírito Santo: "Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte" (Rm 8.1, 2). Por isso que Paulo ordenou aos gálatas que "andassem no Espírito" (Gl 5.16). E "andar" é diferente de "viver" no Espírito (Gl 5.25) - é aprofundar-se na comunhão com Deus.

Todos os dias somos tentados de diversos modos e em variadas circunstâncias. Mas:

"Bem-aventurado o homem que suporta, com perseverança, a provação [tentação]; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida" (Tg 1.12, minha ênfase).

Quando errarmos, "pois não há homem [mulher] que não peque" (1 Rs 8.46, minha ênfase), "temos Advogado junto ao Pai" (1 Jo 2.1). E, a despeito dessa disposição negativa, atentemos para o que diz Paulo, em Romanos 6.11-14:

"Assim também vós,considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus. Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões; nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniquidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça. Porque o pecado não terá domínio sore vós; pois não estais debaixo da lei, e sim debaixo da graça".

Creio que a graça de Deus, por intermédio de Jesus Cristo e  da indispensável orientação do Espírito Santo, fortalecer-nos-á em tudo que concerne ao Reino dos Céus. Que a trindade divina nos ajude!

No Senhor,

João Paulo M. de Souza

Um comentário:

Vanessa S. da Silva disse...

Olá João Paulo, tudo bem?
Gostei muito desta postagem, e concordo plenamente. Renunciar a sí mesmo é uma tarefa muito ardua que só tem sucesso quando deixamos o Espírito Santo no controle!

Deus abençoe!

Vanessa. http://incondicionalamordeus.blogspot.com.br/