segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Três erros da famigerada Teologia da Prosperidade



Infelizmente, para vibração do Diabo e decadência espiritual humana, uma teologia, mais conhecida como Teologia da Prosperidade ou Confissão Positiva, tem encontrado abrigo na vida e no coração de muita gente. Esta, por sua vez, por não buscar realmente a verdade das Escrituras, encontra-se alienada de Deus e refém de inverdades terríveis.

Por intermédio desta postagem, estaremos discorrendo, sucintamente, sobre alguns erros crassos da aludida “teologia”. 

O seu erro quanto ao homem. Os expoentes dessa corrente, a partir de uma equivocada interpretação de Salmo 82.6, dizem ser o homem um “pequeno deus”. À luz do contexto desse salmo, entende-se claramente que Asafe se refere aos “injustos” juízes de Israel (v.2); com relação ao ser humano, a Bíblia é bem clara: “E formou Deus o homem do pó da terra...” (Gn 2.7; cf. 3.19). 

O seu erro quanto à salvação. Você sabia que os expositores da Confissão Positiva chegaram ao extremo de afirmar que, ao morrer, Jesus teria assumido a natureza satânica, como também teve de nascer de novo no inferno, para que o plano da salvação fosse completado? Assim, os expoentes dessa teologia pôem o Diabo como coautor da salvação. Que desplante! No entanto, o próprio Jesus pronuncia-se: “... o príncipe deste mundo... nada tem em mim” (Jo 14.30). 

O seu erro em relação ao sofrimento. “Pare de sofrer” dizem os amantes da “Mensagem da Fé”. Ao pregar a ausência do sofrimento na vida das pessoas, esse movimento desdiz as verdades das Escrituras Sagradas, pois, estas afirmam, categoricamente, que as dificuldades existenciais fazem parte da vida humana: “Eu, João... companheiro na aflição... estava na ilha de Patmos, por causa da palavra de Deus e pelo testemunho de Jesus Cristo” (Ap 1.9; cf. Mt 5.11, 12; 2 Rs 13.14; At 5.41; 1 Tm 5.23).

Portanto, a Teologia da Prosperidade não suporta o crivo das Sagradas Letras. Estas não escondem fatos relacionados à vida terrestre (2 Co 11.23-28).

 Em Cristo,

JPMS

2 comentários:

João Paulo disse...

Caro irmão Antônio, a paz do Senhor!

Primeiro, obrigado pela visita. Segundo, se não vivermos o que pregamos, não passamos de fariseus, isto é, de hipócritas (Mt 23).

Em Cristo,

JPMS

João Araujo Barros disse...

Temos que ser prospero em Amor, em interece pela obra, em perdoá, em estender a mão para nosso procimo que tá caido. isto sim é prosperidade si que ter um carro ó uma casa ó muito diéiro faça uma estrutura solida de trabalho arregasi as manga pessa direção a Deus mas fá a luta meu irmão, não fique querendo oferta 10 para recebe 100 Deus não gosta de fogado que Deus ti abencoi