sábado, 21 de janeiro de 2012

Engana-se quem pensa que a genuína prosperidade habita nas riquezas e posses terrenais

"Porque nada trouxemos para este mundo e manifesto é que nada podemos levar dele. Tendo, porém, sustento e com que nos vestirmos, estejamos com isso contentes. Mas os que querem ser ricos, caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e na ruína. Porque o amor do dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e, nessa cobiça, alguns se desviaram da fé e se traspassaram a si mesmos com muitas dores" (1 Tm 6.7-10).

Efetivamente, ser rico não é pecado (Mt 27.57), o problema está na avareza: "(...) porque o amor do dinheiro" (1 Tm 6.10a). E, infelizmente, "alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores" (1 Tm 6.10, ARA).

Ouçamos bem e pratiquemos o que disse Paulo: "Tendo, porém, sustento e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes" (v.8). Esta orientação não isenta a realidade da riqueza material adquirida de maneira lícita e honrosa (Pv 10.22). Se Deus quiser nos abençoar financeiramente, quem somos nós para dizermos não? Porém, não devemos priorizar o cabedal temporal em prejuízo do celestial e eterno (Mt 6.19, 20; cf. 6.31-33).

Em Cristo,

João Paulo M. de Souza

2 comentários:

Cristiane Mello disse...

Glória a Deus por essa palavra abençoada !!!

Ainda bem que a minha maior riqueza é ter Jesus em minha vida. Pois é das mãos de Deus que eu recolho tudo o que preciso.

A PAZ DO SENHOR JESUS CRISTO !!!

João Paulo disse...

Irmã Cristiane,

A graciosa paz do Senhor!

Deus continue lhe abençoando em Cristo.

No Senhor,

JP