segunda-feira, 26 de julho de 2010

Sem mim nada podeis fazer

Numa sociedade sem Cristo, não é difícil encontrar alguém que se ache autossuficiente. Entretanto, o que me intriga e deixa-me enternecido, é o fato de, entre os evangélicos, existir pessoas desconhecedoras, ignorantes e até contumazes quanto ao conhecimento do senhorio e da soberania de Jesus sobre todas as coisas.

Um ímpio dizer que pode, que sabe, que faz, e que é, podemos até compreender, porque, segundo a Bíblia, o mesmo é ignorante (At 17.30; 1 Pe 1.14; 1 Co 2.14). Em Atos 12.21, 22 (NTLH), está escrito: “Herodes marcou um dia com eles e nesse dia vestiu a sua roupa de rei, sentou-se no trono e começou a fazer um discurso. E o povo gritava: – É um deus e não um homem que está falando!” No verso 23 desta mesma passagem, fica evidente que o estadista gozou da honra que só a Deus é devida. Isso, para quem tem a “unção do Santo” (1 Jo 2.20; 27), torna-se inteligível (1 Co 2.15).

No meio evangélico, essa realidade está mais perto do que longe – principalmente quando se refere a alguns cantores, pregadores, dirigentes etc. Estes se valem muitas vezes da posição que usufruem, para exprimir estrelismo, quando, na verdade, são apenas “pó e cinza” (Gn 2.7; 3.19, 23; 18.27; 2 Co 5.1; Is 64.8). Davi, ao conversar com Deus, perguntou: “Que é o homem mortal para que te lembres dele? E o filho do homem, para que o visites?” (Sl 8.4).

Às vezes, pessoas populares praticam o exclusivismo, partilhando da “síndrome de Elias”: “Eu fiquei só” (1 Rs 19.10, 14). Estas se esquecem de que existem outros crentes fieis usados poderosamente pelo Senhor (v.18). Quando o profeta falou a Deus acerca do seu estado solitário, ele quis afirmar que a obra divina não poderia prosseguir sem a sua parcela de contribuição. Todavia, este pensamento foi fútil e pobre.

A música, a mensagem, ou qualquer outro serviço na casa do Senhor, quando feito sem o fundamento dos apóstolos e dos profetas (Ef 2.20; 1 Co 3.11), certamente será ineficaz, porque disse Jesus: “Eu sou a videira, vós, as varas; quem está em mim, e eu nele, este dá muito fruto, porque sem mim nada podereis fazer” (Jo 15.5). “No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém!” (Jo 1.1-3; Rm 11.36).

Toda a honra, toda a glória e todo o louvor sejam para Jesus Cristo!

João Paulo M. de Souza



Nenhum comentário: