sábado, 1 de maio de 2010

Vai-te e não peques mais



Era manhã, bem cedinho, quando Jesus resolveu sair do monte das Oliveiras e voltar para o templo, em Jerusalém. E muitos do povo vinham ao seu encontro. Assentando-se, Jesus ensinava-lhes a Palavra de Deus, quando, de repente, estourou em sua frente um dilema: uma mulher pega em adultério, trazida pelos escribas e fariseus. Ao pô-la no meio, acusaram-na de ter cometido um delito contra a lei de Moisés, o adultério (Jo 8.4, 5).

Em Levítico 20.10, diz-nos a Bíblia que, tanto a mulher quanto o homem que cometessem o pecado de adultério, deveriam arcar com as consequências do ato: “O homem que adulterar com a mulher de outro, havendo adulterado com a mulher do seu próximo, certamente morrerá o adúltero e a adúltera”. Entretanto, não foi o que aconteceu no caso exposto a Cristo (v.4). Onde se encontrava o adúltero? Por que só trouxeram a mulher? Simplesmente porque os acusadores achavam-se “justos” demais, a ponto de apenas verem os erros dos outros e esquecerem-se dos seus (Mt 7.3).

Jesus estava sereno... Apesar de ter sido interrogado pelos religiosos por várias vezes sobre o que a mulher merecia, permanecia calado. Pouco tempo depois, inclinando-se, aproveitou para deslizar seu dedo santo sobre a terra... Parecia que o Mestre não tinha uma resposta pronta e eficaz para derrubar os argumentos dos denunciantes. Porém, de repente, endireitando-se, irrompeu o silêncio com a seguinte frase: “Aquele que dentre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela” (v.7). E retornando a se inclinar, continuava a escrever na terra. Ao ouvirem e verem isso, os acusantes “saíram um a um, a começar pelos mais velhos até aos últimos” (v.9).

Frente a frente com Jesus, a mulher ouviu da boca do Advogado Divino: “Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?” (v.10) Ao passo que ela disse: “Ninguém, Senhor”. “E disse Jesus: “Nem eu te condeno; vai-te e não peques mais” (v.11).

Nesse relato bíblico, fica expressa a vontade de Deus para com os homens - o abandono do pecado. “Vai-te e não peques mais” é o desejo do Santo para todos. O Senhor requer de seus filhos reverência e santidade, para que possa encontrá-los puros e usá-los como lhe apraz sobre a Terra (Lv 11.45; Js 3.5; 1 Pe 1.15, 16; Rm 8.6-8; 1 Co 3.16; 6.18-20; 2 Co 6.14-18; 7.1; ).

Em Deus,

João Paulo M. de Souza

2 comentários:

Cláudio Muniz disse...

Belo texto, que Deus continue a te iluminar para que possa levar Palavras do Evangelho aos corações.
Amém
http://vidasimpactando.blogspot.com
Cláudio Muniz

João Paulo disse...

Caro irmão Cláudio,

A paz do Senhor!

Obrigado por comentar um de meus posts. Deus o abençoe!

Em Cristo

JPMS